segunda-feira, 25 de julho de 2011

SALMO 1

TÍTULO

Este salmo é considerado o prefácio dos salmos, pois apresenta o conteúdo de todo o livro. É desejo do salmista ensinar-nos o caminho para a bem-aventurança e avisar-nos sobre a destruição certa dos pecadores. Este, portanto, é o assunto do primeiro salmo, que em certos respeitos pode ser visto como o texto sobre o qual o todo dos salmos compõe um sermão divino.

DIVISÃO
Este salmo consiste de duas partes: na primeira (do versículo 1 ao versículo 3), Davi expõe em que consiste a felicidade e a bem-aventurança de um homem piedoso, quais são os seus procedimentos e quais as bênçãos que receberá do Senhor. Na segunda parte (do versículo 4 ao final), ele contrasta o estado e o caráter daqueles que não têm Deus, revela o futuro, e descreve, em linguagem impressionante, seu destino final.

DICAS PARA O PREGADOR VERS. 1. Pode fornecer um texto ótimo sobre "O progresso no pecado", ou "A pureza do cristão", ou "A bem-aventurança dos justos". Sobre este último, fale do crente como abençoado:  1. Por Deus, 2. Em Cristo; 3. Com todas as bênçãos; 4. Em todas as circunstâncias; 5. Através do tempo e da eternidade; 6. Até o mais alto grau. VERS. 1. Ensina uma pessoa piedosa a precaver-se (1) das opiniões, (2) da vida prática e (3) da companhia de pecadores. Mostre como a meditação sobre a Palavra nos ajudará a manter distância desses três males. A natureza insinuante e progressiva do pecado (J. Morrison). VERS. 1. Relaciona-se com o salmo inteiro. A grande diferença entre os justos e os ímpios.

VERS. 2. A palavra de Deus. 1. A satisfação que proporciona ao crente.  2. O conhecimento da Palavra que o crente ganha. Aspiramos estar na companhia daqueles que amamos.  VERS. 2. 1. O que se entende por "a lei do Senhor". 2. O que há nessa lei que pode ser um deleite para o crente. 3. Como ele mostra esse deleite, como pensa nela, passa a lê-la mais, a falar dela, a obedecê-la e a não se deleitar no mal?  VERS. 2. (última cláusula). Os benefícios, as ajudas e os empecilhos da meditação.

VERS. 3. "A árvore frutífera": 1. Onde cresce? 2. Como chegou lá? 3. Quanto produz? 4. Como ser igual a ela? VERS. 3. "Plantada à beira de águas correntes". 1. A origem da vida cristã, "plantada".  2. Os riachos que a sustentam. 3. O fruto que se espera dela. VERS. 3. A influência da religião sobre a prosperidade (Blair). A natureza, as causas, os sinais e os resultados da verdadeira prosperidade. "Frutos no tempo certo"; virtudes a serem mostradas em certos tempos: paciência na aflição; gratidão na prosperidade; zelo na oportunidade. "Suas folhas não murcham": a bênção de manter um testemunho que não murcha.

VERS. 3, 4: (título sugestivo) "A palha espalhada pelo vento" (Sermão de Spurgeon). O pecado provoca contradição em cima de cada bênção.

VERS. 5. A condenação dupla do pecador. 1. Condenado no tribunal de justiça. 2. Separado dos santos. A racionalidade dessas penas, portanto, e como escapar delas. "A comunidade dos justos" vista como sendo a igreja do unigênito acima. Isso pode fornecer um assunto nobre.

VERS. 6: (primeira frase). Um doce incentivo para o povo experimentado de Deus. O conhecimento aqui significava: 1. seu caráter: um conhecimento de observação e aprovação. 2. sua fonte: vem pela onisciência e pelo amor infinito. 3. seus resultados: sustento, livramento, aceitação e, por fim, glória. VERS. 6. (última cláusula). O caminho do prazer, do orgulho, da descrença, da blasfêmia, da perseguição, da procrastinação, da auto-ilusão. chegará ao fim.
  
Fonte: Esboços Bíblicos de Salmos - C. H. Spurgeon